Adão e Eva na interpretação Yogue


windowslivewritergnesis2adoeevasocriadospordeus-12ffcparaiso-adao-eva-adam-eve-serpente-snake-apple-macaTenho que registrar isso, da Autobiografia de um Yogue, da Parahamansa. Tal como Parahamansa, eu também jamais conseguir compreender o simbolismo alegórico da Gênese bíblica. A história de Adão e Eva, literalmente é absurda e contraditória do início ao fim. Até aí tudo bem. No entanto, nem simbolicamente eu conseguia ver alguma lógica. Por isso, ao ler o trecho que colocarei abaixo, com a interpretação de Sri Yukteswar para essa passagem do Velho Testamento, eu fiquei parada, olhando para a tela no micro até conseguir voltar à mim pela admiração que senti pela coerência desse grande Mestre Yogue. Pela primeira vez entendo a Gênese bíblica como uma Revelação, não como uma lenda primitiva de seres ignorantes. A interpretação que ele faz é seguindo a lógica da Yoga, por isso, para entender bem o que ele quis dizer em algumas frases, deve-se ter uma introdução dessa Filosofia. Embora ela trate de assuntos universais, contidas em quase todas as filosofias mais abrangentes, os termos e definições são diferentes. Mesma base, com outra roupa. Para mim que estou estudando essa filosofia e li seu livro sobre a “comparação” da Sankhya e o Novo Testamento hoje à tarde, ficou fácil entender o brilhantismo da interpretação dele para o simbolismo de Adão e Eva. Então recomendo não só esse trecho, mas toda a leitura da Autobiografia de Paramahansa Yogananda, onde mais se têm descritas a sabedoria de Sri Yukteswar.

“- A história de Adão e Eva é incompreensível para mim! -observei com vivacidade, certa vez, em minhas primeiras lutas com a alegoria. – Por que Deus castigou, não só o casal culpado, mas todas as gerações inocentes ainda por nascer?

O Mestre divertia-se, mais com minha veemência que com minha ignorância. – O Gênese é profundamente simbólico e não se pode compreendê-lo pela interpretação literal – explicou ele. – A “árvore da vida”é o corpo humano; a coluna vertebral assemelha-se a uma árvore invertida, tendo como raízes os cabelos do homem, e como galhos, os nervos sensoriais e motores. A árvore do sistema nervoso ostenta muitos frutos apetitosos: as sensações da vista, do som, do olfato, do gosto e do tato. Estes, o homem tem permissão de desfrutar; mas lhe foi proibida a experiência do sexo, a “maçã” no centro do corpo (“no meio do jardim”).

“A serpente representa a energia enrolada na base da espinha, a que estimula os nervos sexuais. Adão é a razão, Eva é o sentimento. Quando o impulso sexual subjuga a emoção ou consciência-de-Eva em qualquer ser humano, sua razão ou Adão também sucumbe. Deus criou a espécie humana materializando os corpos do homem e da mulher pelapotência de Sua vontade; Ele dotou a nova espécie com o poder de criar filhos de idêntica maneira imaculada ou divina. Até ali, ao manifestar-se como alma individualizada, Deus se limitara aos animais, regidos pelo instinto e desprovidos das potencialidades da razão plena; então, fez os primeiros corpos humanos, simbolicamente chamados Adão e Eva. Para estes corpos, a fim de prosseguirem vantajosamente na evolução ascensional, Ele transferiu as almas ou essência divina de dois animais. Em Adão ou homem a razão predominou; em Eva ou mulher, o sentimento prevaleceu. Assim se manifestou a dualidade ou polaridade subjacente ao mundo dos fenômenos. Razão e sentimento permanecem no paraíso da alegria cooperativa, enquanto a mente humana não é iludida pela energia serpentina das propensões animais.

“O corpo humano, portanto, não resultou da evolução dos corpos animais; Deus o produziu por um ato especial de criação. As formas animais eram muito rudes para expressar a divindade em plenitude; somente ao homem e à mulher, desde a sua origem foram conferidos centros ocultos na espinha e o Iótus de mil pétalas, potencialmente onisciente, no cérebro.

“Deus, ou a Consciência Divina presente no interior do primeiro casal criado, aconselhou-os a fruir de todas as formas de sensibilidade, com uma exceção: as sensações sexuais. Estas foram proibidas, a fim de que a humanidade não se enredasse no método animal, inferior, de procriação. A advertência para que não reavivassem memórias bestiais arquivadas no subconsciente passou despercebida. Voltando atrás, à forma de reprodução dos seres brutos, Adão e Eva conheceram a queda do estado de alegria celeste que era próprio do homem, perfeito (sem máculas) em sua origem.

“Ao ‘perceberem que estavam nus’ perderam sua consciência de imortalidade, conforme a advertência de Deus; colocaram-se sob a lei física, segundo a qual ao nascimento físico deve seguir-se a morte física.

“O conhecimento do ‘bem e do mal’ prometido a Eva pela ‘serpente’ refere-se às experiências dualísticas e opostas que todos os mortais sob o domínio de máya devem gozar e sofrer. Sujeitando-se à ilusão, pelo uso incorreto de sua razão e sentimento, ou consciência-de-Adão-e-Eva, o homem renuncia a seu direito de entrar no jardim paradisíaco da divina auto-suficiência. A cada ser humano cabe a responsabilidade de restituir seus pais ou natureza dual à harmonia unificada ou Éden.”

Ao terminar Sri Yuktéswar o seu discurso, olhei com novo respeito as páginas do Gênese.”


Anúncios

6 comentários sobre “Adão e Eva na interpretação Yogue

  1. SOBRE ADÃO E EVA:Adão e Eva chegaram a Urântia 37 848 anos antes do ano 1934 d.C. Era meia estação, e o Jardim estava em um pico de florescimento quando eles chegaram. E foi ao meio-dia, sem prévio anúncio, que dois transportes seráficos, acompanhados pelo pessoal de Jerusém, os encarregados do transporte dos elevadores biológicos até Urântia, aterrissaram suavemente na superfície do planeta em rotação, na vizinhança do templo do Pai Universal. Todo o trabalho de rematerialização dos corpos de Adão e Eva foi feito dentro dos recintos daquele santuário, recentemente criado. E, desde o momento da chegada, passaram-se dez dias até que eles fossem recriados na forma humana dual, para serem apresentados como os novos governantes do mundo. Eles recuperaram a consciência simultaneamente. Os Filhos e Filhas Materiais sempre servem juntos. É parte da essência do serviço deles, em todos os tempos e todos os lugares, não se separarem jamais. Eles estão destinados a trabalhar aos pares; raramente funcionam separadamente.

    E AINDA HÁ MUITO MAIS A SE SABER…. MUITO MAIS MESMO…..

    ANTONIO

  2. Muito interessante! Se quiser, fique à vontade para dizer o restante!

    Abraços! :)

  3. Olha, já li o livro e ainda fico resistente a alguns pontos. Não consigo ainda enxergar o homem primitivo ligado diretamente a Deus. Não entendo como um ser em comunhão com Deus poderia ceder as ilusões de maya. Acredito que a árvore da vida é maya e fica evidente que quando desta provamos, nós morremos na espiritualidade, nos confundimos no véu ilusório da luz, esquecemos de quem somos, de Deus. Adão e Eva ocorre todos os dias, basta escolher entre o fruto da árvore da vida ou não? Não é facil compreender ^^

  4. Não é só a Bíblia que acusa o sexo como a causa da finitude da vida. Cientificamente falando, o modo de reprodução sexuada foi responsável pela existência da morte. “A norma nos primeiros dois milhões de anos de vida na Terra era a reprodução assexuada. Reproduzindo-se dessa maneira, por fragmentação, os indivíduos (protoctistas), em princípio, são imortais.” O Que É Sexo? Por Lynn Margulis,Dorion Sagan. Acho interessante essa conexão entre ciência e religião. Não acredito literalmente na história bíblica da criação, embora reconheça nela uma sabedoria instintiva, uma revelação contada de forma simbólica e profundamente verdadeira. Um deus objetivo que fala e castiga é uma maneira infantil de fazer entender a natureza divina e o motivo de estarmos aqui e de sermos como somos. Valeu e ainda vale, mas para os místicos ela é desnecessária. Além disso, penso que a simbologia da árvore do conhecimento do bem e do mal vai muito além do sexo em si. Há interpretações interessantes que relacionam “a separação” do homem do seu meio natural (o Éden/a natureza do ponto de vista dos animais irracionais) através do seu desenvolvimento cognitivo, da sua consciência de si mesmo, e na busca da compreensão do mundo ao seu redor, que simbolicamente, também está implícito no desejo de Eva de ser como Deus.

  5. Vou resumir o que acho sobre Adão e Eva: Adão e Eva são Eras…. Para os Egípcios a serpente significava conhecimento ou sabedoria, e a maçã é o alimento. Por tanto concluo que a partir do momento em que a serpente oferece fruto do conhecimento para nós, perdemos a ingenuidade, saímos do “paraíso” e passamos a ter a maldade. Os índios andavam nus e não existia a malícia, a ciência veio (indiretamente) acabar com nossas crenças.
    É isso…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s